quarta-feira, 7 de abril de 2010

Imagem: Osvaldo Barreto


DESABAFOS DE UM ÚTERO VAZIO

Eu poderia ter herdado a coragem
do útero sagrado que me embalou,
mas não!

em vez disso me rebelei
contra o que há de mais feminino
(segundo a estupidez humana).

Não adianta gritar que não vou,
não vou parir nem hoje nem amanhã não senhor;
a senhora também?! Pelo amor de deus, o que é isso?

O que é seu ninguém tira,
mas o que é meu é problema meu,
não me faça perder a linha!

Se enxoto os instintos mais primitivos
não me custa nada enxotar também
as criaturas mais primitivas. Xô!

Melhor assim.
O silêncio abranda a raiva
e consola a culpa.

Mas pra raiva existe cura, pra culpa não.
Pelo menos não pra minha. Pelo menos não ainda.
Diacho de útero vazio!


Nicole Rodrigues

© 2010 Biblioteca Nacional. Todos os Direitos Reservados.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens populares