terça-feira, 17 de agosto de 2010

Hipátia de Alexandria



Hipátia de Alexandria, matemática e filósofa grega, nascida aproximadamente em 355. Filha de Theon, um renomado filósofo e matemático que também era seu professor e que foi o responsável por despertar e estimular o seu interesse pela Matemática, Astronomia, Filosofia, Poesia, Retórica e Oratória.

Hipátia completou os seus estudos na conceituada Academia Neoplatônica em Atenas e ao voltar para Alexandria conquistou o posto de professora na Academia onde havia estudado boa parte de sua vida. Logo se tornou a diretora da Academia, e estudantes de várias cidades, e até de outros países, fossem cristãos ou pagãos, enfileiravam-se nas salas de aula da biblioteca da cidade para assistir às suas aulas.

Hipátia recusou propostas de casamento e renunciou à maternidade para se dedicar ao aprendizado e ao ensino. É sabido que ela desenvolveu estudos e escreveu um tratado sobre a Álgebra, além de ter escrito comentários sobre matemáticos clássicos e de ter se empenhado em solucionar problemas matemáticos confusos e questões astronômicas.

Em março de 415 Hipátia foi assassinada por um grupo de cristãos fanáticos que a acusavam de bruxaria. E foi assim porque Hipátia não era uma mulher comum, e o fato de ela não ter sido uma mulher comum, mas sim educada, decidida e independente demais para sua época, abriu espaço para que algumas pessoas se sentissem intimidadas por ela. O que, por sua vez, abriu espaço para especulações e falsas acusações. Mas o que poderia estar errado na vida de Hipátia? Ela não havia casado, não havia parido uma penca de filhos, nem servido aos homens até o fim de sua vida. Pelo contrário. Hipátia era respeitada pela sociedade e ouvida pelo prefeito da cidade que a tinha como uma conselheira e a quem recorria com freqüência antes de decidir como proceder em relação aos problemas que a Alexandria enfrentava naquela época.

Hipátia escolheu ser dona de si, senhora do seu destino, e isso simplesmente não fazia sentido na cabecinha dos cristãos de outrora (e pra ser sincera ainda não faz, na cabeça de muitos de agora).

Uma mulher influenciando a decisão de um homem? Uma mulher que faz o prefeito pensar e pesar conseqüências ao invés de agir baseado no que está escrito nas escrituras bíblicas? Uma mulher que impede que o prefeito faça o que “a gente” quer? Precisamos nos livrar dela. Digo, uma mulher dona do seu tempo, da sua vontade, do seu corpo, do seu presente e futuro? Isso não é coisa de deus, afinal é deus quem deve escolher o nosso destino. Cabe a ele nos guiar, quando quiser e se quiser... e nos resta apenas crer e esperar que ele haja -- diziam os cristãos. É ele quem deve enviar o “homem certo”, com o qual a mulher casará e terá quantos filhos deus desejar. Ouça bem: quantos filhos deus desejar e não a mulher. Afinal de contas, quem é ela para dizer que não quer mais parir? Quem dirá para dizer aos quatro ventos que não quer e que nunca irá parir. Se ela vive do jeito que bem entende, se recusa a viver de acordo com a palavra de deus, e ousa influenciar um homem que está no poder, então isso deve significar que ela também tem algum poder. (E é claro que eles ignoraram que esse poder era a inteligência, a capacidade de raciocinar, refletir e discernir o certo do errado, capacidade essa que ela havia aprendido e praticado durante todos aqueles anos em que se dedicou aos estudos.) Mas é claro! Ela deve ser uma bruxa! Sim, ela é uma bruxa, está decidido. Uma bruxa e das mais perigosas! O que quer dizer que devemos fazer alguma coisa para evitar que essa mulher continue influenciando o prefeito, digo, desafiando a palavra de deus. Mas que palavra é essa? Não importa, está na Bíblia, em algum lugar, eu sei que está, e por isso devemos segui-la. Mas o que é que deus diz que devemos fazer em casos como esse? Ele disse que devemos puni-la. Que devemos impedir que ela continue vivendo assim, no pecado. Vamos matá-la. Isso, vamos matá-la para ensinar às outras mulheres que aqui não é a casa da Mãe Joana não senhora, vamos dar uma lição nessa turma.

Cercaram Hipátia quando ela voltava para casa após um dia inteiro ensinando seus pupilos a pensarem com a própria cabeça e não com a cabeça dos outros, ou segundo à “palavra de deus”. Suas roupas foram rasgadas do seu corpo e Hipátia foi arrastada pelas ruas de Alexandria até a Igreja Cristã mais próxima onde ela foi apedrejada, ou queimada (as referências históricas divergem nesse ponto), mas não antes de ter sido descamada como um peixe -- teve sua pele arrancada ainda viva com o uso de conchas de ostras afiadas que deslizaram nada suavemente sobre suas curvas até que não existisse nada além de carne vermelha, a ser cortada em pedaços e espalhada pela cidade, como foi.

O crime de Hipátia foi ser corajosa e forte o suficiente para decidir que cabia a ela definir quem ela gostaria de ser e como ela gostaria de viver a sua vida. Ela escolheu o seu próprio rumo ao assumir a paixão de aprendiz e de professora, renunciando a uma vida de dona de casa, de submissão a um marido e de cuidados maternos. Hipátia decidiu que ela viria em primeiro lugar e que o seu desenvolvimento seria sua prioridade. O crime de Hipátia foi ousar ser Hipátia.

Nicole Rodrigues


O filme "Ágora", de Alejandro Amenábar, conta a história de Hipátia.



Fontes:

O filme "Agora" de Alejandro Amenábar

http://en.wikipedia.org/wiki/Hypatia

http://pt.wikipedia.org/wiki/Hip%C3%A1tia

http://calculu.sites.uol.com.br/Historia/hypatia.htm

http://www.cosmopolis.com/people/hypatia.html

5 comentários:

  1. A história humana está repleta de crimes covardes como este. Infelizmente homens usam a religião como forma de justificar seus atos hediondos e manter um conceito ridículo de submissão e exploração da mulher. Hipátia é um símbolo da força e da coragem e deve ser lembrada como alguém que preferiu a liberdade e o conhecimento ao invés da dependência e da humilhação.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Alex,

    As palavras benditas do teu blog "Sempre os que dizem de antemão que lutam em nome de Deus são as pessoas menos pacíficas do mundo: como crêem que recebem mensagens celestiais têm os ouvidos surdos para qualquer palavra de humanidade.” (Stefan Zweig) explicam o que te trouxe até aqui. Seja muito bem-vindo nesse útero vazio, onde sempre cabe mais um.

    :)

    ResponderExcluir
  3. Desculpe ser tão impertinente, mas adorei este espaço. Aqui as mulheres não são apenas objetos de desejos, mas pessoas dotadas de muita inteligência. Admiro muitas mulheres com personalidades marcantes: Joana D’Arc, Olga Prestes, Simone Weil, Florbela Espanca, entre outras. E apaixonei pela história de Hipátia, a qual não conhecia. Em breve iria assistir ao filme recomendado, Ágora.

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  4. Oi.

    É interessante o amor dela pelo conhecimento e a sua modernidade feminina; o filme soube retratar muito bem a história. Vale recomendar o filme.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  5. Desculpe-me novamente a impertinência, mas ao assistir “Ágora”, lembre-me de outro filme sobre o absurdo da religião cristã contra as mulheres. O filme em questão trata-se do chocante “Em Nome de Deus” (The Magdalene Sisters) de Peter Mullan. O longa-metragem é sobre Os Lares Madalena,na Irlanda, lugares de responsabilidade da Igreja Católica, onde jovens mulheres eram mandadas pelas famílias ou pelos orfanatos e lá obrigadas a trabalharem na lavagem de roupa, sofrendo todo tipo de castigo: humilhações, abusos e estupros. Vale à pena conferir.

    Abraços

    ResponderExcluir

Postagens populares